arquivo

Viva o Cerrado

Enviado por Simone Santos.

”A primeira vez que vi Deus!” É assim que posso descrever esse momento, a sensação de se banhar em uma cachoeira é como lavar a alma, a paz que isso nos trás é como uma oração! O cerrado nos surpreende, nos dando esse paraíso e nos faz entender a importância da sua preservação. A convivência com a natureza é uma troca; nós a preservamos e ela nós agradece com esses momentos mágicos”

Também quer participar? Saiba como nesse link.

Enviado por Rubens Pessoa, Jornalista e Professor.

Aprendi uma lição com os ipês: a beleza de um não diminui a beleza do outro. Eles conseguem ser belos juntos e quantos mais e mais próximos tornam o todo mais bonito.

Os padrões culturais e a formação da consciência social enquadraram o conceito de beleza. O bonito parece concreto, mascarado, plástico. O belo se confunde com o prático o comercial.

Vale a pena olhar para a semente e a partir dela reconstruir o conceito de beleza.

A semente tem em si todas as potências, todas as belezas, mas precisa ser enterrada, esconder-se, morrer, para expandir e mostrar o belo oculto dentro dela. A semente em si é tudo e nada. O seu valor está no cultivo no cuidado. No olhar do outro, no investimento de um terceiro e de um cuidado paulatino até que ela cresça e desenvolva todas as suas etapas de beleza.

Primeiro a beleza virgem do broto, suas primeiras folhas. Depois a beleza adolescente cheia de aspectos desconstruídos, galhos tortos que maltratados pela seca ganham força e robustez. Em seguida a beleza da maturidade. Até surgir a beleza anciã, cansada. E por fim a beleza da morte,  aquela que permite que a beleza ceda o lugar a uma outra.

Isso me lembra a época seca nos cerrados, lembram-me os ipês brasilienses que, na época que o clima mais exige, mostram todo o seu esplendor. Mas antes perdem todas as folhas. Vazios de si, perdem tudo para conquistar a pureza das flores. Permitem depois de sua ascese que os olhares contemplem sua explosão de cores.

Há que se fugir dos agrotóxicos, è preciso voltar ao cultivo natural.

Também quer participar? Saiba como nesse link.

Envie para a Ecodata as imagens e histórias que você tem com o bioma Cerrado.

Conte sobre uma viagem especial, uma cachoeira inesquecível, aquele animal raro que você viu, a árvore que plantou, as tradições populares que conheceu, o sabor exótico que experimentou, as lições que aprendeu com a natureza e o que podemos fazer para ajudar a conservar o segundo maior bioma do Brasil.

Participe!

Os materiais mais interessantes serão divulgados em nosso blog e nas redes sociais.
Envie para comunicacao@ecodata.org.br